A capela funerária de Bento XVI é aberta para a última despedida dos fiéis | Internacional


A capela funerária do Papa Emérito Bento XVI, falecido neste sábado aos 95 anos, foi aberta às nove da manhã na Basílica de São Pedro, no Vaticano, para o último adeus dos fiéis. Centenas de pessoas fazem fila desde as 05h30 desta manhã para acessar a nave central do templo e prestar homenagem a Joseph Ratzinger. As autoridades prevêem que cerca de 35.000 pessoas desfilarão pela capela em chamas em cada um dos três dias em que ela permanecerá aberta. O sepultamento será na manhã desta quinta-feira.

Os primeiros fiéis a entrar na basílica foram um grupo de teólogos indianos que esperavam desde o amanhecer nas portas do templo. Mas entre os primeiros que puderam se despedir de Bento XVI, pouco antes de as portas do templo serem abertas ao público, estavam a primeira-ministra da Itália, Giorgia Meloni, e o presidente da República, Sergio Mattarella. Ambos prestaram homenagem silenciosa a Ratzinger dos bancos laterais do local onde foi colocado o corpo do papa emérito.

A fila de fiéis que espera para ver os restos mortais do papa emérito já está atravessando a basílica e contornando várias vezes a Praça de São Pedro no Vaticano para permitir que eles esperem de maneira ordenada. Uma das grandes dúvidas sobre um acontecimento inédito como a morte de um pontífice emérito era o rito fúnebre e o protocolo que seria estabelecido. A vestimenta dá algumas pistas, já que Bento XVI está vestido com o vermelho papal, mas sem o pálio: o ornamento que é colocado no pescoço e indica o poder exercido no momento de sua morte. A ausência da referida peça indica que o alemão foi justamente aposentado.

A outra grande diferença com a morte de um papa regente é que um funeral de estado não será realizado no dia 5. As únicas delegações convidadas neste sentido foram a alemã (devido à nacionalidade do pontífice) e a italiana, devido ao vínculo que existe entre o Vaticano e o país anfitrião. Mas os chefes de estado ou presidentes de governo que viajarem a Roma para demitir Ratzinger o farão de livre e espontânea vontade.

Os restos mortais de Joseph Ratzinger foram transferidos às sete da manhã para a basílica do mosteiro Mater Ecclesiae, onde residia o papa emérito desde sua renúncia em fevereiro de 2013. Lá ele foi vigiado por amigos, cidadãos e funcionários do Vaticano, bem como por os cardeais e membros da Cúria. O cardeal Mauro Gambetti presidiu um breve ritual já na Basílica de São Pedro até as 7h40, antes de finalizar os preparativos para a chegada dos fiéis.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as notícias e ler sem limites.

se inscrever

Acompanhe todas as informações internacionais sobre Facebook Y Twitterou em nosso boletim semanal.





Source link

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *