A polêmica sobre indultos no Chile obriga à renúncia do ministro da Justiça e chefe de gabinete de Boric | Internacional

Marcela Ríos, Ministra da Justiça e Direitos Humanos do Chile, em julho de 2022.
Marcela Ríos, Ministra da Justiça e Direitos Humanos do Chile, em julho de 2022.Deputados e Deputados

Marcela Ríos, ministra da Justiça do Chile, deixou o gabinete de Gabriel Boric na tarde deste sábado. A cientista política estava prestes a cumprir 10 meses no cargo, mas sua saída ocorre em um momento complexo para o La Moneda. O presidente anunciou em 30 de dezembro os indultos de 13 pessoas condenadas pelos surtos sociais de 2019. A decisão foi questionada por diversos setores para o momento, as justificativas do presidente e a falta de prolixidade no processo. A oposição iria apresentar uma denúncia constitucional no Congresso na segunda-feira que pedia a renúncia de Ríos, o que levou Boric a pedir sua renúncia antes que a iniciativa fosse finalizada.

O advogado Luis Cordero levará a partir de segunda-feira a testemunha deixada por Ríos. A saída do ministro não foi a única consequência do processo de indulto. La Moneda noticiou neste sábado a renúncia do chefe de gabinete de Boric, Matías Meza-Lopehandía, um dos principais homens de confiança do presidente de esquerda, e que teria desempenhado um papel importante nas liberdades concedidas. O próprio presidente explicou a saída de Ríos “porque houve desordens” na execução do processo. “Quando situações dessas características ocorrem na política, devemos assumir responsabilidades”, acrescentou o presidente à imprensa.

Este não foi o único problema enfrentado por Ríos, que é membro do mesmo partido do presidente Boric, a Convergência Social. O Chile não tem um procurador nacional há três meses devido a problemas do governo em conseguir que seus candidatos sejam ratificados pelo Senado. Essa negociação geralmente é realizada pelo Ministério da Justiça e outras pastas. Este é um novo ajuste da equipe La Moncloa. Em setembro, após o plebiscito, Boric trocou peças centrais de seu gabinete. A saída da ministra do Desenvolvimento Social, Jeannette Vega, também ocorreu em 25 de agosto, devido a contatos não autorizados com um dos líderes radicais mapuches, Héctor Llaitul.

O presidente de esquerda libertou 12 detidos em dezembro, no âmbito de protestos sociais. Essa foi uma de suas promessas de campanha presidencial, que mais tarde se viu forçado a se classificar no segundo turno, que o colocou contra o extrema-direita José Antonio Kast. Boric também indultou um homem condenado a 16 anos de prisão pelo assalto a um banco do Santander em 2013. O sujeito, Jorge Mateluna, fazia parte da Frente Patriótica Manuel Rodríguez (FPMR), organização que pegou em armas na ditadura. Embora o perdão seja um poder permitido ao presidente, por motivos humanitários e para garantir a paz social, a decisão gerou problemas para seu governo e marcou o início político de 2023. A oposição Renovación Nacional denunciou os fatos por prevaricação.

“Espero que seja uma questão que consideremos resolvida e que viremos a página”, disse Boric na quinta-feira do sul do Chile. Mas novas informações sobre os indultados, divulgadas nas últimas horas, mantiveram o tema em pauta. O canal de televisão Canal 13 transmitiu uma reportagem que dava conta da longa ficha de um dos indultados, Luis Castillo Opazo, que no domingo cumprirá 35 anos de liberdade. Segundo a investigação, ele foi preso em 11 de maio de 2020 em Illapel, cidade do norte do país, depois que a Promotoria de Atacama acumulou 250 horas de gravações obtidas no âmbito dos protestos que o envolveram em vários crimes: distúrbios , danos, maus-tratos a policiais, roubo. As imagens mostram manifestantes pacíficos enfrentando Castillo, que participou de um assalto ao Registro Civil de Copiapó, onde são emitidos cédulas de identidade, passaportes e outros documentos. Ele também roubou um carro. Segundo os promotores, Castillo não apenas confessou sua participação nos fatos, mas também colaborou com os investigadores. A Justiça o condenou a quatro anos de prisão por sete crimes.

Enquanto cumpria sua sentença, Castillo foi sancionado várias vezes por armazenar armas brancas em sua cela e por ter telefones celulares e acesso à Internet. Ele enviou mensagens ao exterior: “Ainda não ganhamos nada, camaradas. Não larguem as ruas, sejam corajosos, meus companheiros. Vamos vencer as batalhas que estamos travando, companheiros ”, disse Castillo em seus vídeos. Definiu-se como preso político e rodriguista (da FPMR). Ele tinha uma longa lista de crimes comuns em seu passado, antes do surto social de 2019. Ele acrescentou 26 processos judiciais abertos antes de ser preso devido aos protestos. Segundo o relatório, entre 2005 e 2017 ele havia sido condenado cinco vezes por furto simples, furto simples frustrado, lesões menos graves, furto com violência e furto surpresa. A maior de suas sentenças foi de 10 anos de prisão e a Gendarmaria chegou a registrar uma tentativa de fuga.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as notícias e ler sem limites.

se inscrever

“É uma decisão difícil, mas tomo pensando no bem do país. Temos que curar essas feridas. Estamos vivendo um processo tremendamente complexo. São jovens que não são criminosos ”, disse Boric anteriormente, quando justificou sua decisão perante a opinião pública. Ao sair da prisão, Castillo gravou uma mensagem em vídeo: “Onde houver miséria haverá rebelião, onde houver desigualdade haverá rebelião. Porque nós insurgentes não nos acalmamos, não descansamos”.

A alegação de Boric de que esses eram jovens que não eram criminosos caiu como um castelo de cartas. A gendarmeria alertou em meados de dezembro que Castillo tinha “um alto comprometimento criminal”, embora o benefício tenha sido concedido. A mesma coisa aconteceu com um segundo lançado. Os decretos de soltura mostram que o governo teve conhecimento da reincidência em pelo menos cinco casos. Ambos os assuntos dependem do Ministério da Justiça liderado por Ríos.

No dia em que os indultos se tornaram públicos, o La Moneda noticiou pela primeira vez 10 presos beneficiados, incluindo Castillo. Mais tarde, a Justiça garantiu que nem Castillo nem outro dos condenados foram indultados, mas outros dois nomes foram acrescentados. Finalmente, eles incluíram todos eles.

Os indultos ocorreram em meio a uma crise de segurança reconhecida por todos os setores políticos e que desafia o Estado. A decisão de Boric ocorreu no momento em que sua ministra do Interior, a socialista Carolina Tohá, finalizava os detalhes da negociação entre o partido governista e a oposição para uma agenda de segurança robusta. Isso foi congelado dos 13 lançamentos.

O episódio também envolveu o Executivo com o Judiciário. Boric disse ter uma “profunda convicção” de que no julgamento de Jorge Matulena, acusado de roubo a uma casa de banho, houve “irregularidades” e que está convicto da sua inocência. A Suprema Corte lembrou que “nem o presidente nem o Congresso podem exercer funções judiciais, resolver casos pendentes, revisar os fundamentos ou o conteúdo de suas resoluções ou reviver processos mortos”. Os especialistas consideram inédito este confronto entre as duas potências. Pelo menos desde a volta à democracia em 1990, como analisa Isidro Solís, ex-ministro da Justiça de Michelle Bachelet em seu primeiro governo.

Após a resposta dos juízes, Boric teve que sair pessoalmente para ler um depoimento para colocar panos frios na polêmica. O apoio ao governo caiu 8% desde abril. A reprovação, por sua vez, subiu 12 pontos, de 49% para 61%, segundo levantamento do Centro de Estudos Públicos (CEP).

Acompanhe todas as informações internacionais sobre Facebook Y Twitterou em nosso boletim semanal.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *