Assessores de Biden encontram segundo lote de documentos classificados | Internacional

Joe Biden, nesta quarta-feira em Washington.
Joe Biden, nesta quarta-feira em Washington.JONATHAN ERNST (REUTERS)

Depois de descobrir em novembro um lote de documentos sigilosos no escritório de Washington que Joe Biden usou entre o fim de sua passagem como vice-presidente com Barack Obama (2017) e o início da campanha que o levou à Casa Branca em 2020, um A equipe de colaboradores do líder democrata começou a vasculhar outros locais de trabalho deste em busca de mais papéis. A rede de televisão NBC divulgou nesta quarta-feira, citando fontes anônimas, a descoberta de um segundo grupo de documentos, que estavam guardados em local diferente do escritório que o atual presidente utilizava na capital federal.

Pouco se sabe sobre este novo bloco de papéis. O nível de sigilo que os protegeu, o número e a localização precisa não foram divulgados. Ele também não sabe como sua descoberta foi alcançada ou se a busca por qualquer outro material classificado que Biden poderia manter desde os tempos do governo Obama é encerrada com esta descoberta.

A semana começou para Biden com a notícia, avançada pela CBS, da existência de uma dezena de documentos classificados como confidenciais num armário do Penn Biden Center, em Washington, gabinete privado do presidente no centro da cidade. Os papéis foram disponibilizados ao Arquivo Nacional e o caso relatado ao Departamento de Justiça. Entre eles estão memorandos dos serviços de inteligência dos EUA e material sobre relações geopolíticas quentes, como as de Washington com a Ucrânia, o Irã ou o Reino Unido. A lei dos EUA exige que os registros presidenciais sejam preservados e disponibilizados aos Arquivos Nacionais após deixar o cargo.

A descoberta foi imediatamente colocada na perspectiva desfavorável da indignação demonstrada por Biden quando o FBI vasculhou a residência de Donald Trump em Mar-a-Lago (Flórida) no verão, onde o ex-presidente levou uma quantidade muito maior, sim, de papéis sobre deixando a Casa Branca. Em entrevista ao programa 60 minutos Transmitido em setembro passado, Biden disse o seguinte: “Como isso pode acontecer? Como alguém pode ser tão irresponsável? [Al saber de su existencia] Pensei: que dados havia que poderiam comprometer as fontes e os métodos? Quero dizer, os nomes das pessoas que ajudaram… É só… é totalmente irresponsável.”

Na terça-feira, Biden, em visita oficial à Cidade do México para se encontrar com seus homólogos canadense, Justin Trudeau, e mexicano, Andrés Manuel López Obrador, falou sobre a primeira constatação. Disse ter ficado “surpreso” ao saber que existiam documentos daquela fase num armário de um escritório que cedeu uso particular. Ele garantiu que leva a sério informações confidenciais e que desconhece o conteúdo de tais documentos.

“Eles encontraram alguns documentos em uma caixa, em um armário trancado, e assim que o fizeram, perceberam que naquela caixa havia vários documentos sigilosos. E fizeram o que tinham que fazer: ligar imediatamente para o Arquivo [Nacionales] e entregá-los. Fui informado dessa descoberta e fiquei surpreso ao saber que há registros do governo que foram levados para aquele escritório, mas não sei o que há nos documentos”, acrescentou o presidente norte-americano. “Meus advogados entregaram as caixas ao Arquivo [Nacionales], e estamos cooperando totalmente com a revisão. Espero que acabe logo e seja hora de dar mais detalhes.

Junte-se ao EL PAÍS para acompanhar todas as notícias e ler sem limites.

se inscrever

Acompanhe todas as informações internacionais sobre Facebook Y Twitterou em nosso boletim semanal.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *