Assim funciona o limite do preço do gás na Europa | Economia


O primeiro navio-tanque de GNL a descarregar na usina flutuante de regaseificação de Wilhelmshaven, a primeira na Alemanha.
O primeiro navio-tanque de GNL a descarregar na usina flutuante de regaseificação de Wilhelmshaven, a primeira na Alemanha.PISCINA (REUTERS)

A Europa quer a todo o custo evitar a repetição do episódio do verão passado, quando o preço do gás natural disparou acima dos 350 euros por megawatt hora (MWh), quebrando qualquer padrão de cabala. Com esse objetivo entre as sobrancelhas, e depois de várias semanas marcadas pela divergência de posições entre as capitais —com muito mais ambição no sul e na periferia do que no centro e no norte—, os Vinte e Sete acertaram na segunda-feira um teto para o preço do gás no principal mercado grossista europeu (o TTF holandês) que promete acabar com a especulação e reduzir as pressões futuras sobre as casas e empresas.

Como vai funcionar?

O limite aumentará quando o preço do gás natural no mercado TTF ultrapassar, por três dias consecutivos, os 180 euros por MWh e ultrapassar o valor de referência deste combustível nos restantes grandes mercados mundiais em 35 euros ou mais. A partir desse momento, o valor máximo a pagar será o preço desse cabaz global acrescido de 35 euros. Com este prémio, trata-se de evitar que os fornecedores prefiram vender noutras latitudes em detrimento dos países europeus, um dos grandes receios da Alemanha e da Holanda.

No sentido inverso, o teto será desativado quando —também por três dias consecutivos— o gás cair abaixo de 145 euros por MWh: o teto de 180 euros, menos o diferencial de 35. Haverá ainda outros fatores que poderão levar à sua desativação: a declaração de emergência do gás à escala europeia ou regional, que as garantias às empresas de gás disparem e causem instabilidade nos mercados financeiros ou que a procura de gás registe um aumento. abrupto, entre outros.

Por que no mercado holandês?

Porque é, de longe, o mais importante do continente e, de uma forma ou de outra, ao qual todos os outros se referem. Assim, ao colocar um teto nessa referência, o preço nos demais postos europeus de gás —entre eles, o Mibgás espanhol— também é indiretamente limitado. Em todo o caso, se isso não acontecer, a Comissão Europeia tem uma carta na manga: a possibilidade de o alcance do mecanismo ser também alargado a todos os outros.

Quando estará ativo?

A partir do próximo dia 15 de fevereiro. Hoje, porém, o mercado está longe do valor de disparo: esta segunda-feira fechou a 107 euros, quase 70% abaixo. O que aconteceu neste ano —em que o preço do gás quintuplicou— é, por outro lado, um sinal da enorme volatilidade e que uma escalada deste calibre não está descartada se a demanda de gás na Ásia — há muito , o principal player do mercado, está ressurgindo.

Se estivesse em vigor em 2022, o limite teria sido ativado por 40 dias em agosto e setembro, segundo cálculos da Bloomberg.

Que implicações terá?

Muitos. Em primeiro lugar, deve reduzir os possíveis picos de preços para famílias e empresas em seus caminhos. E, portanto, deveria atenuar também a parte energética da inflação.

No papel, também terá impacto no preço da eletricidade. O motivo? Exceto na Espanha e em Portugal —onde o chamado mecanismo ibérico separou os caminhos do gás e da eletricidade desde 15 de junho—, no resto dos países esse combustível continua marcando um preço nas horas em que as renováveis ​​e a nuclear não funcionam. são capazes de cobrir a maior parte da demanda. E se o gás tem um teto, de certa forma, a eletricidade também terá um teto quando o gás aumenta. “Nos horários de pico do mercado de gás, o contágio à eletricidade será interrompido”, observa Alejandro Labanda, diretor de Transição Ecológica da consultoria BeBartlet. O melhor exemplo, diz, é o que aconteceu no verão passado, quando a máxima do gás foi imediatamente transferida para os mercados europeus de eletricidade.

Teresa Ribera, Ministra da Transição Ecológica.Foto: GETTY IMAGES

Há risco de desabastecimento?

Era um dos principais temores da Alemanha, mas é difícil de acontecer. Com o referido prémio de 35 euros por MWh, os fornecedores de gás continuarão a ter um incentivo para vender para a Europa em detrimento do resto do mundo. Se assim não fosse – algo improvável – o acordo alcançado esta segunda-feira contempla a desativação do cap caso haja uma quebra abrupta nas chegadas de gás natural liquefeito (GNL, no jargão do setor, aquele que chega por navio ), o que põe em risco a segurança do abastecimento. O regulador europeu, ACER, será fundamental no processo: caberá a ele “monitorar constantemente” o mercado de gás e, caso seja detectado algum risco, desativá-lo.

“Diante de qualquer risco à segurança do abastecimento, o teto vai pular”, resume Labanda. Os países do sul e da periferia ganharam no valor de referência (180 euros estão a anos-luz dos 275 euros inicialmente propostos por Bruxelas), mas a Alemanha garante que, havendo a menor dúvida, prevalecerá a preocupação com o abastecimento quanto ao preço .

O PAÍS da manhã

Acorde com a análise do dia por Berna González Harbor

RECEBA-O

Inscreva-se para continuar lendo

Leia sem limites



Source link

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *