HIP (Blackstone) consolida-se como maior hoteleira em Espanha | empresas


A HIP continua a consolidar o seu papel como principal hoteleira em Espanha. A divisão hoteleira do fundo de investimentos Blackstone fechará este ano com 60 propriedades e 18.032 quartos na Espanha, muito longe de RIU ou H10, seus rivais mais próximos no ranking de proprietários com menos de 11.000 quartos.

O principal movimento em 2022 no caso dos HIP não se deu no crescimento da carteira, que aumentou a um ritmo mais lento do que nos anos anteriores (mais 682 quartos face a 2021), mas em os importantes investimentos feitos nos ativos para reavaliá-los. Especificamente, sete grandes reformas foram concluídas por um valor de 155 milhões de euros, das quais quatro foram realizadas nas Ilhas Canárias e três em Maiorca.

Riu e H10, o próximo do ranking, avançam com 11.000 quartos

O mais importante foi o ataque em Fuerteventura, num complexo de quatro hotéis geridos pela Barceló, no valor de 38 milhões de euros. “É um dos maiores projetos de reposicionamento realizados pelo HIP, que tem apostado na transformação dos 150.000 metros quadrados que o resort ocupa (964 quartos). com o objetivo de destacar sua localização privilegiada frente ao mar, gerando uma oferta diferenciada e de qualidade”, destaca a empresa. Em segundo lugar está outro hotel gerido pela Barceló em Lanzarote, que recebeu um investimento de 34 milhões de euros e que reabriu as suas portas em junho. A terceira posição é ocupada por um hotel pertencente ao americano Apple Leisure Group (ALG), agora detido pela Hyatt, por um valor de 27 milhões de euros.

A Barceló é o principal operador do portfólio de hotéis HIP, com 23 ativos, das quais oito nas Ilhas Canárias (três em Fuerteventura, duas em Lanzarote e Tenerife e uma em Gran Canaria), sete nas Ilhas Baleares (três em Maiorca, duas em Menorca e duas em Ibiza) e oito na Península ( três em Málaga e um em Huelva, Almería, Alicante, Girona e Madrid). De facto, foi a maior beneficiária das oito grandes reformas levadas a cabo pelo HIP em 2022, já que cinco delas foram realizadas em hotéis operados pela hoteleira balear no valor de 118 milhões de euros.

A Barceló é o maior operador hoteleiro HIP, com 23 ativos

treze operadores

O segundo maior operador hoteleiro nas mãos da HIP é a cadeia Alua Hotels, com oito ativos, três dos quais nas Ilhas Canárias (dois em Fuerteventura e um em Tenerife) e cinco nas Ilhas Baleares (três em Maiorca e um em Ibiza e Alcúdia). ). A entrada dos hotéis Alúa no portfólio HIP foi no mínimo bizarra. No final de 2017, a divisão hoteleira da Blackstone perdeu o controle da Hispania, que finalmente assumiu esses ativos. Apenas seis meses depois, a HIP concluiu com sucesso uma oferta pública de aquisição (OPA) para seu concorrente, assumindo 90% da Hispânia e passando a deter os hotéis Alúa mencionados acima.

O catálogo de operadoras de hotéis HIP na Espanha cresceu para treze empresas, incluindo Barceló e Alúa. O AM Resorts (recém-adquirido pela Hyatt) é o terceiro da lista com oito hotéis, seguido do Lopesan (quatro) ou dos grupos hoteleiros Dunas e Meliá (com três cada). O ranking é completado por Vincci (dois hotéis) e outras seis empresas com ativos (Sunset Hospitality Group, Marriott, Fergus, AC, NH e Axel)

Divisão hoteleira da Blackstone pretende crescer na Itália, Grécia e Portugal

Desinvestimento

A HIP beneficiou da mudança vivida pelos grandes hotéis, que gradualmente abandonaram o tijolo em Espanha e optaram geralmente pela gestão, aluguer e até franchising. Em 30 de setembro de 2022, a Meliá contava com 138 hotéis e 35.004 quartos na Espanha, praticamente um terço de seu portfólio. Destes, possui apenas 14 hotéis e 3.957 quartos. Outro exemplo desta tendência é o NH, que atualmente conta com 91 hotéis na Espanha, dos quais 64 são alugados, 12 próprios e 10 sob gestão. Em quartos, possui apenas 1.722 dos 11.261 que tem em carteira.

Itália e Grécia

Enquanto em Espanha os trabalhos se centraram na renovação de ativos para os reavaliar, a HIP acelerou o crescimento nos outros três destinos europeus onde está presente (Grécia, Itália e Portugal).

A primeira paragem foi na Grécia, onde adquiriu cinco ativos em 2019 por 179 milhões e ainda este ano acrescentou um sexto hotel, que será operado pela AM Resorts sob a marca Dreams após uma remodelação de 30 milhões de euros. A segunda foi feita dois meses antes do início da pandemia com a compra de um hotel em Vilamoura (Portugal). O último e talvez o mais importante fechou-o em Itália onde comprou um portefólio de seis hotéis no final de 2021 com o compromisso de investir 85 milhões de euros no seu reposicionamento.



Source link

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *