Isso pode acontecer com qualquer um! Decisão de fofoca do Flash Office da AYM!


Isso pode acontecer com qualquer um! Decisão de fofoca de escritório da AYM!

De acordo com a decisão publicada no Boletim Oficial de hoje, em resultado da análise pela entidade patronal da correspondência telefónica móvel da recorrente que trabalhava em empresa privada com um colega, o contrato de trabalho foi rescindido com fundamento no conteúdo do contrato de trabalho correspondência.

APLICAÇÃO AO AYM

De acordo com a notícia em AA, o requerente, que alegou que a rescisão foi injusta, entrou com uma ação de recontratação, mas o tribunal indeferiu a ação. Em seguida, o requerente interpôs recurso individual perante o Tribunal Constitucional, alegando a violação do direito ao respeito pela vida privada e à liberdade de comunicação.

DECISÃO DE VIOLAÇÃO DA LIBERDADE DE COMUNICAÇÃO

A Suprema Corte, examinando a demanda, decidiu que o direito ao respeito à vida privada e à liberdade de comunicação foram violados.

JUSTIFICAÇÃO DA DECISÃO

Na decisão do Tribunal Constitucional, afirmou-se que “Numa sociedade democrática, o processo de controlo das comunicações e tratamento de dados pessoais deve ser realizado de forma transparente, devendo como requisito desta os trabalhadores serem informados sobre o processo previamente pelo empregador”.

“INTERVENÇÃO NA ÁREA DA VIDA PRIVADA”

Foi assinalado na decisão que a ingerência do empregador nos direitos e liberdades fundamentais do trabalhador deve estar relacionada com o fim a atingir e ser idónea à concretização desse fim, “Não devem ser admitidas restrições ou intervenções que excedam o fim permitido.” declarações foram incluídas.

Apesar de o exame da correspondência do recorrente em seu telefone celular constituir uma intervenção injusta em sua vida privada e liberdade de comunicação, foi enfatizado na decisão que tal determinação não foi feita na ação de reintegração de emprego por ele movida, e foi enfatizado que ele alegou que sua correspondência foi obtida por métodos ilegais pelo empregador.

“Observa-se que não há regulamentação especial na Lei nº 4.857 quanto ao controle do empregador sobre as ferramentas de comunicação colocadas à disposição do empregado.” No despacho, que incluiu a determinação da decisão, constatou-se que as mensagens trocadas entre o recorrente e o seu colega no incidente objecto do requerimento continham opiniões particulares sobre a entidade patronal e os seus trabalhadores, tendo sido incluídas no seu conteúdo algumas declarações humilhantes .

Na decisão que apontou que o Supremo Tribunal já havia proferido decisões de violação em pedidos semelhantes anteriormente, observou-se o seguinte:

“Considerando que os programas de mensagens também podem ser usados ​​pessoalmente, é claro que o controle do celular de outra pessoa e a apreensão das mensagens do requerente são contrários à expectativa razoável do requerente de proteger a privacidade de sua vida privada e correspondência. Nenhuma avaliação foi feita sobre se é necessário fundamentar a rescisão e seus efeitos na vida privada e na comunicação do requerente.

“LIVRE DE COMUNICAÇÃO”

Entendendo-se que as obrigações positivas não foram cumpridas pelos tribunais de instância, que resolveram o litígio decorrente das relações comerciais de direito privado pelas razões acima expostas, procedendo a um criterioso julgamento tendo em conta as garantias constitucionais acima referidas, o o direito do requerente ao respeito pela vida privada, garantido no artigo 20.º da Constituição, está garantido no artigo 22.º da Constituição. Deve ser decidido que a liberdade de comunicação tomada foi violada.



Source link

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *