O acordo chinês de 2 bilhões de dólares para a produção de veículos elétricos é muito ousado | O negócio

A WM Motor, uma estrela da fabricante chinesa de carros elétricos em dificuldades, está voltando atrás para abraçar um ambicioso Plano C. Depois que duas tentativas anteriores de IPO falharam, o grupo fundado por Freeman Shen, de Zhejiang Geely, abrirá o capital com a venda da divisão de carros para a Apollo A Future Mobility, cotada na Bolsa de Valores de Hong Kong, em troca de 2.000 milhões de dólares.

Eles formam um casal estranho. Ambas são montadoras, mas os carros que fabricam têm muito pouco em comum. A WM assumiu como missão vender veículos elétricos acessíveis para famílias e operadores de frotas de veículos. Em vez disso, a Apollo é conhecida como a fabricante de supercarros movidos a gasolina que, segundo especialistas, são capazes de gerar tanta força aerodinâmica que poderiam se pendurar no teto, embora a maior parte de sua receita venha de joias e vendas de relógios. Não parece haver muita sinergia entre os dois.

As demandas financeiras não ficam atrás. Com uma capitalização de mercado inferior a US$ 300 milhões, o lado comprador é muito menor do que o lado comprador. O preço de compra de US$ 2 bilhões equivale a um múltiplo de 3,7 vezes as vendas da WM para o ano encerrado em junho de 2022, que é superior ao múltiplo médio de 2,6 vezes para uma cesta de montadoras.

Se olharmos quem são os donos, a operação tem sua lógica. As duas empresas são muito conectadas. A controladora da WM é a maior acionista da Apollo desde 2021, com quase um quarto de suas ações. O maior magnata de Hong Kong, Li Ka-shing, também está por trás de ambos os grupos. O fundador da WM, Shen, que também é co-presidente da Apollo, pode aproveitar sua experiência anterior em fusões ambiciosas, a mais importante das quais foi a aquisição da Volvo, a montadora sueca pela Geely. Na melhor das hipóteses, o acordo ajudaria o jovem grupo a criar produtos premium. Há exemplos de empresas de capital aberto que reuniram marcas de carros muito diferentes, como Volkswagen, Geely e Tata Motors. Mas realizar essas manobras complicadas tem suas migalhas. A operação pela qual Shen passou é muito ousada.

O PAÍS da manhã

Acorde com a análise do dia por Berna González Harbor

RECEBA-O

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *